terça-feira, 16 de novembro de 2010

Sabia

Não precisavas vir
Com o coração fora do peito
Mostrando suas feridas
Remendos de amor
Eu já te sabia dor.


Não precisavas rasgar-te
Em versos no papel
Desfiando palavras
Difíceis e desertas
Eu já te sabia poeta.


Não precisavas aparecer
Em caminho de flores
Enfeitado de luz
Primaverando inverno
Eu já te sabia belo.


Não precisavas partir
Bebendo minhas lágrimas
Despindo
Nossas verdades
Eu já te sabia saudade.

Isa Lacerda.


10 comentários:

  1. Não precisavas tanto, bastava que ficasse...

    Tão lindo, moça!

    Delicadas palavras tu deixastes na minha casa, no meu lento e preguiçoso retorno...rs! A data para a volta é 2011, mas sinto que já descansei, já dei um tempo bom, já coloquei esparadrapos em algumas feridas, talvez seja a hora de voltar.

    Obrigada pelo carinho.

    ResponderExcluir
  2. Nossa! De quem é esse texto? É seu? Que poema lindo! Desse jeito... sei não...

    ResponderExcluir
  3. Não descofies de meu potencial, professor! Tem dias em que acordo inspirada, me sabendo poetisa... rsrsrs... Na verdade, apenas um lapso! rs

    ResponderExcluir
  4. Mt bonito mesmo! Vou mostrar pra Gi... Eu morro de vergonha de ler os meus pra ele, quem sabe os seus me dão + sorte? rs
    Bjoks

    ResponderExcluir
  5. Poxa...Lindo de mais...
    Bjos achocolatados

    ResponderExcluir
  6. Esses saberes sabem de todos os nossos quereres.

    Que lindo, menina linda.

    Beijo imenso.

    Rebeca

    -

    ResponderExcluir
  7. Isa, lindo poema.

    É tão "verdadeiro" que chega a deixar "saudades".


    beijos anjo.

    saudades também!

    (:

    ResponderExcluir
  8. Voltei pra te ler e desejar-te um lindo final de semana.
    Bjos achocolatados linda poetisa.

    ResponderExcluir
  9. "Não precisavas rasgar-te
    Em versos no papel
    "
    quantas vezes deixamos de lado o que realmente importa e nos perdemos no dito sem sentido

    ResponderExcluir
  10. ...e eu já te sabia linda!

    muahhhhh

    ResponderExcluir