sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Eles

Ele é sono; ela, insônia.
Ele é silêncio; ela é palavra.
Ele é Fla; ela é Flu.
Ele é riso contido; ela, gargalhada.
Ele é solidão; ela, multidão.
Ele se balança; ela samba.
Ele quer ganhar um milhão; ela quer gastar um milhão.
Ele gosta de tecnologias; ela gosta de livros de papel.
Ele é rock; ela é bossa.
Ele, lapiseira; ela, lápis.
Ele, vinho; ela, caipirinha.
Ele é dia; ela é noite.
Ele quer comédia; ela, drama.
Ele chora pra dentro; ela chora pra fora.
Ele é carente; ela finge que não.
Ele espera; ela tem pressa.
Ele é serra; ela, mar.
Ele é som ambiente; ela é no último volume.
Ele, listrado; ela, estampado...
...

Ele quer aprender a dançar, ela quer entender o tablet.
Eles acabam torcendo pro time do outro.
Ela precisa dormir de vez em quando, e ele precisa acordar.
A vida dele precisa de mais barulho, e a dela de mais silêncio.
Eles vão pra onde tem serra e mar ao mesmo tempo.
Ela lê para ele. Ele a ensina jogar vídeo-game.
Eles misturam listras com estampas no melhor estilo retrô.
Eles riem...
...

Mas às vezes a dança sai do compasso.
Às vezes eles não entendem.
Às vezes ela não acha graça no filme, e ele não suporta o drama.
Às vezes ela quer mergulhar e ele que subir.
Às vezes ela não baixa o volume, e ele não quer dançar.
Às vezes eles choram juntos.
...

Dois mundos.
Eles conseguem olhar para a mesma direção...
...

Ah, eles se amam!


E basta!


12 comentários:

  1. Oi, Isa

    As mesmas diferenças que nos incomodam são as que nos completam. E isso é o que vale.
    Muito bom!

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. um amor consumado
    e que bebe na saborosa diferença
    de ser

    beijos,
    do menino-homem

    e carinho!

    fique com Deus!

    ResponderExcluir
  3. as delícias e os manejos do estar junto... lindo ver esses casais! :)

    ResponderExcluir
  4. Isabele, FANTÁSTICO!!! EXTRAORDINÁRIO!!

    Você escreve muito bem, meus parabéns!! O texto é excelente, a ideia, a forma de escrevê-lo!

    Merece ser muito divulgado!!

    ResponderExcluir
  5. aiiiiiiiiiiii 'ti lindoooooooooooooooooo'

    ResponderExcluir
  6. Isa,

    "Quem um dia irá dizer
    Que existe razão
    Nas coisas feitas pelo coração?"...

    Beijos no coração!

    ResponderExcluir
  7. Que texto gostoso de se ler!

    Quando os dois querem, surge a festa.

    Obrigada pelo carinho!

    Suzana/LILY

    ResponderExcluir
  8. Oi Isabele,

    Quando há amor tudo vale à pena.

    Adorei tuas palavras, não só esse, como outros, gostoso te ler.

    Beijo meu
    Visitando, seguindo

    ResponderExcluir
  9. Oi amiga, to de volta...hehehehe! Consegui encontrar nesses bares da vida, sentada num cantinho, palida e triste, a minha inspiração.
    Tomava um martine, e fumava um cigarro, nos olhos uma tristeza indolente lhe deixava a face vazia. Um barzinho mais ou menos, onde o cantor alcoolizado de olhos vermelhos cantava, Não se váaaaaa!. Quando ela me viu, do canto dos seus labios vi surgir um quase sorriso sabe? Daqueles que querem ,mais não querem sorrir?...Tirei ela dali, pelas mãos, a levei pra ver o mar, pra voar, pra sentir o gosto doce de um beijo e o sabor ardente dos desejos.
    Aquela mulher que antes parecia farrapos voltou a se iluminar, jogou o copo fora, apagou o cigarro e voltou pra mim. Estamos nós duas lá no Meu Aconchego.
    Te espero, por lá tá?
    Bjos achocolatados

    ResponderExcluir
  10. Nossa Sandrinha! Inspirada mesmo hein! Que bom... Daqui a pouco tô lá, gata! Bjoks outras!

    Seja bem vinda Fátima! Volte sempre!

    ResponderExcluir
  11. Quase todo amor humano - é assim
    diferenças antogonismo
    dizem que isto é que os une
    eu sei que dá uma confusão danada!
    mas se for igual - é monotonia
    a humanidade também é divergente
    o seu poema é uma fotografia
    desta dialética entre dois
    ainda bem que sou monotono.

    beijos poéticos

    Luiz Alfredo
    poeta

    ResponderExcluir