domingo, 9 de maio de 2010

Minhas mães

Dizem que mãe só tem uma. Eu não concordo. Ou então eu sou uma moça de muita sorte, pois tive e tenho muitas mães que me auxiliam nesta caminhada, cuidando das minhas feridas, minhas dores de barriga e celebrando minhas conquistas.

Primeiro veio aquela que me carregou em seu ventre por quase 10 meses (pois é, sempre fui meio preguiçosinha...rs). Essa mãe é sem dúvida o maior laço de amor que pode existir. De seu próprio corpo me alimentou, e sem pestanejar, por mim morreria. Sinto que minhas dores lhe ferem mais que a mim mesma, e meus amores te alegram. Nunca ninguém teve por mim maior orgulho e admiração, e certamente eu nem mereça tanto, mas seu olhar para comigo é tão cheio amor, que só consegue enxergar beleza. A você mãezinha, meu eterno amor.

Depois, e talvez tão grande quanto, vieram minhas avós, tão calorosas e queridas. Minha vó que me cuidou e acarinhou-me nos dias em que meus pais não podiam ser tão próximos. Minha mãe severa que me fazia ter hora pra voltar, que não dormia em minha ausência, que tinha sempre a comidinha preparada pra qualquer hora que eu sentisse fome, e que até hoje insiste em pensar que ainda sou criança, e me mima com todos os cuidados e caprichos de netinha. A vocês, minha eterna gratidão.

Mais tarde vieram as mães das minhas amigas, que me acolhiam após as festas, na fase de adolescência. Muitas vezes, em minhas pequenas rebeldias, queria que elas fossem minhas mães, mas logo compreendia, pelos puxões de orelha, que podiam ser tão severas quanto as minhas outras mães, pois também me amavam e queriam meu bem tanto quanto o de suas filhas. Muitas vezes foram psicólogas, outras vezes amigas, e tantas outras vezes mães. E depois vieram outras e outras queridas mães de amigas que vão ficando pra sempre. A vocês, minhas eternas lembranças carinhosas.

O tempo foi passando e essas amigas estão se tornando mães... Minhas amigas mães, que cresceram comigo, que trabalham comigo, que vivem comigo, que partilham comigo tantos sonhos, estão vendo mais um ser realizado. Estão vivendo esta dádiva que Deus, em seu infinito amor por nós, mulheres, só a nós concedeu. Elas ficaram diferentes depois que se tornaram mães. O amor, o brilho nos olhos e a sensibilidade para com o mundo multiplicaram-se. Tão estranha e tão gostosa a sensação de ver minhas amigas se tranformarem desta forma... Ficaram tão mais lindas... A vocês, minha eterna amizade.

E tantas outras mães que passaram por mim em vários momentos – uma professora, uma médica, uma senhora na rua, uma atendente, uma tia... Muito obrigada por terem olhado pra mim com o olhar que só uma mãe pode ter.

Feliz dia das mães!!!

6 comentários:

  1. Me encontrei entre as tuas palavras, amiga! Obrigada! E obrigada também por compartilhar desse momento tão especial da minha vida!

    ResponderExcluir
  2. Isa,

    Belíssimo texto!
    Mãe é tudo de bom mesmo.

    Vim lhe avisar que tem um convite para ti no meu blog. O texto é "As 6 coisas que você não sabe sobre mim". Recebi da Letícia Castro, escrevi, indiquei 4 pessoas. Tu está entre elas. Ficaria feliz se aceitasse o convite e contasse alguns fatos importantes da sua vida. É uma forma legal de conhecer as pessoas que temos contato através dos nossos blogs.

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Minha Amiga,
    Mãe de todas nós!

    ResponderExcluir
  4. Olá Isabele,
    Dentre as mães que fui admiradamente lendo nesta postagem, me fez pensar sobre tantas diferentes mães e cheguei no que diz o livro "Pai que é mãe", de Fanny Abramovich. Vale a pena ler! Trata de uma narrativa de um pai com suas duas filhas pré-adolescentes e se desculpa da falta de jeito para falar da menstruação com a filha apreensiva a ver a calcinha com sangue. Volto a teu texto e mergulho nesse reconhecimento tecido e na beleza do afeto, e que você sabe bem expressar neste cantinho e nos faz viajar... Legal mesmo!

    ResponderExcluir
  5. Quem é amiga da Isa sabe que ela é uma mãezona! Amo você, amiga!

    ResponderExcluir
  6. um aprendiz de mestre, acompanhando o mestre chegaram em um sitio muito longe da civilizaçao e la tinha uma vaguinha que era todo o sustenta da familia e dava um lucro pequeno para a familia. O mestre e eu comenos e bebemos e fomos embora, porem o mestre me pediu para escondermos ate o anoitecer, e me obrigou a pegar a vaca e jogar no precipicio abaixo e assim eu fiz, e fomos embora. Fiquei com muita raiva e deixei a quele tipo de vida que eu iria seguir. O tempo passou eu creci tornei me em epresario de sucesso, e nao esqueci aquele fato que aconteceu comigo no passado. Entao resolvir voltar aquele sitio, e quando la cheguei encontrei uma situaçao contraria da que eu deixei, o sitio cresceu e aquela familia ficou muito rica, entao quando eles me viram ficaram alegres e eu perguntei como eles conseguiram ficarem ricos. Eles disseram que a vaca tinha caído do precipicio e morreu, e nos nao sabiamos o que fazer para sobreviver, foi quando tivemos a ideia de plantar pois tinhamos uma area grande e nos tornamos um dos maiores fornecedores e hortaliças para as cidades. Entao desejei sorte e fui embora, e no caminho comecei a lembrar da sabedoria daquele mestre que eu abandonei.Esta historia e muito mais detalhada mais da para imaginar o barato da historia. Tudo isto foi para te dizer que voce e o mestre da minha V I D A.

    ResponderExcluir